dos dias de nostalgia eu tiro a minha paz

Tem dias que eu fico assim, nostálgica.
Hoje é um desses dias..
Assim, sem motivos aparentes, tive um noite muito conturbada, uma dessas crises existenciais..
Sim, eu sei os motivos! Falta pouco mais de um mês pra que eu complete mais um aniversário e isso é tão desconfortante. 
Deveria ser bom viver a sensação de crescer, cuidar da própria vida, amadurecer. Mas eu sinto medo. Acho que isso que vivo é uma dessas crises de fim de adolescência.
Chorei. Não dormi. Pensei em cortar os tornozelos ao invés de cortar os pulsos como todos fazem. Não fiz isso. Criancice, eu diria. Levantei, lavei o rosto, tomei meu café sem açucar, com um pedaço de bolo colorido. Bom. Fiz as coisas de domingo. Liguei pro Meu Locutor de rádio preferido, pedi várias músicas de domingo. As ouvi e junto a elas o meu beijo especial! Interessante. Pensei em ver o jogo, Brasil x Costa do Marfim, mas não seria interessante, eu iria torcer pelo adversário, como de costume. 
Folheei algumas páginas da internet. Lembrei dos tempos de criança, quando tudo era mais fácil. Quando eu jogava capoeira e acreditava cegamente em Deus. Aqueles tempos em que ir pra escola era obrigação diária, aqueles tempos que coca-cola era a bebida mais gostosa do mundo.
 Pus os fones e passei a ouvir algumas músicas no celular e lembrei do meu primeiro radinho de pilha, daqueles que só tocavam nas rádios FM e tinham vida útil de duas semanas. Lembrei de todos os tamaguchis e que nunca viviam mais que dois dias na minha mão. No primeiro dia eu cuidava com amor e toooda a dedicação que se tem com uma criança de verdade, logo eu esquecia em algum lugar e pedia um novo pra mãe. Não faço mas isso. Nem com tamaguchis e nem com nada.
Fiquei pensando em como o tempo nos faz correr, rápido, sem dó nem piedade.
Vamos envelhecendo. 
Li em algum lugar uma frase que dizia, "Crescer é inevitável, amadurecer é opcional."
       Fim. Sem era uma vez. 

                                    Ameno Dori!

Nenhum comentário: